Algo que você não sabia sobre... Aditya Agarwal

O profissional do Team PokerStars fala sobre a cena de poker em explosão em seu país natal, Índia, seus primeiros anos no internato em uma região montanhosa do Himalaia e por que ele está bem com o fato de ser a esposa quem compra suas roupas...

Cover image_aa_15dec17.jpgA paixão de Aditya Agarwal pelo poker foi despertada pela primeira vez quando ele sintonizou a ESPN no dormitório da universidade e testemunhou que o contador do Tennessee, Chris Moneymaker, dominou o Main Event do World Series of Poker de 2003, levando 2,5 milhões de dólares. Depois disso, seu diploma de engenharia tomou um assento traseiro para ele se tornar um grinder on-line e aos poucos construir seu bankroll com o objetivo de talvez um dia se tornar profissional.

Hoje em dia, o jovem de 33 anos, que é casado com a colega profissional de poker Shuchi Chamaria e está em quarto lugar na lista de maiores ganhos de todos os tempos da Índia, é mais dedicado em ajudar a espalhar o apelo do poker na Índia. Nós recentemente nos encontramos com Aditya em sua cidade natal de Kolkata para ouvir mais sobre sua vida dentro e fora do poker.

Você nasceu e cresceu em Kolkata, mas passou parte de sua infância em alta altitude (2.000 metros) no norte da Índia. Por que exatamente isso?

Fui a uma escola pública bastante famosa chamada St. Pauls em Darjeeling, que fica no estado de Bengala Ocidental. Eu permaneci lá com meu irmão, Rajat, por alguns anos. Darjeeling, famosa por seu chá, é como uma estação de colina e a paisagem lá em cima é incrível; você pode ver o Monte Kangchenjunga [terceira montanha mais alta do mundo, na região de Nepal e Sikkim na Índia]. Muitas cidades da Índia estão muito lotadas e poluídas, então as pessoas vão para essas estações de montanha, ou pontos de férias, como Darjeeling, porque é menos lotado, bonito e o ar é muito mais limpo. Foi incrível estar nesse ambiente por alguns anos, em vez de estar na cidade o tempo todo.

Com os jogos de cartas sendo muito populares na Índia, você jogou muito quando criança?

Sim, todos aqui jogam cartas como entretenimento e como hobby. Nós jogamos rummy e alguns jogos de cartas indianos como Teen Do Paanch. Durante o Diwali, que é um festival indiano, todos jogam cartas - é um evento social muito grande e as pessoas são convidadas para festas de cartas. Nunca joguei por dinheiro quando era criança, mas sabia que, uma vez que eu tivesse idade suficiente, estaria apostando. Naquela época, no entanto, não acho que alguém soubesse sobre o poker, já que levou mais alguns anos para que o jogo viesse para a Índia. Há vinte anos, o jogo de cartas mais popular durante o Diwali era o Teen Patti, que agora está sendo substituído pelo poker.

Agarwal 1_15dec17.jpgO Hold'em ainda pode estar crescendo na Índia, mas o jogo de Agarwal já está maduro

No final da adolescência, você viajou 13 mil quilômetros para estudar na Universidade Drexel da Filadélfia. Isso foi um ajuste difícil?

Meu pai tem uma grande família, incluindo quatro irmãos e cinco irmãs, o que significa que temos parentes em todos os lugares. Nós viajamos desde jovens e sempre quis estudar nos EUA ao invés da Índia. Eu fiz amigos bem rapidamente e tudo correu bastante suave. Gostei muito do meu tempo lá, embora fizesse uma ou duas viagens por ano de volta à Índia.

É verdade que o poker fez com que você trocasse o curso de engenharia para estudar marketing?

Fui para estudar engenharia, mas acabei sendo apresentado ao poker no segundo ano pelo "efeito Moneymaker". Foi no outono de 2003 que a ESPN começou a mostrar o World Series of Poker 2003 e realmente entrei no jogo depois de assisti-lo. Também costumava haver jogos de Texas Hold'em de 5 e 10 dólares nos dormitórios e sempre um número de pessoas suficiente jogando em algum lugar. Até que um de nossos grupos ganhou muito dinheiro jogando online, então começamos a jogar online também. Naquela época, o poker era muito suave e havia muitos bônus de depósito, então usamos essas ofertas para construir nossos bankrolls.

Eu estava passando muitas horas jogando poker enquanto sabia que meus pais iriam me matar se eu abandonasse o curso, então decidi fazer um Major mais fácil em marketing para que eu pudesse continuar com os dois. Quando eu me formei, já estava indo bem no poker e era uma escolha de carreira óbvia para me tornar um jogador profissional. Eu também tive o apoio total de meus pais, pelo qual eu realmente agradeço. Poderia ter sido diferente se eu tivesse estudando na Índia.

Agarwal 2_15dec17.jpgSe a carreira no poker não der certo, Agarwal tem um futuro como modelo de roupas...

O boom do poker chegou à Índia naquela época?

Não, demorou alguns anos para o poker chegar à Índia - provavelmente decolou mesmo em 2009. Enquanto o boom começou nos EUA em 2003 e se espalhou para a Europa e a Austrália, muitas crianças indianas estavam indo para esses lugares como estudantes e jogando poker. Eles daí voltavam para a Índia e compartilhavam seus conhecimentos. Outra grande razão para o boom na Índia foi todos os jogos de poker gratuitos no Facebook. Muitos profissionais de lá começaram a jogar assim.

Como você viu o poker crescer na Índia e agora está perto de se popularizar no que irá se tornar o país mais populoso do mundo?

O poker está ficando muito popular na Índia. O número de pessoas que joga aumentou de forma constante, assim como o número de indianos que participa de torneios no exterior. Há salas de poker legais na maioria das cidades agora, e na minha cidade, Kolkata, há salas muito sofisticadas. Eu joguei muito na Índia ao longo dos anos, embora não o tenha feito muito recentemente. No entanto, eu sei que os jogos ficaram mais difíceis do que eram em 2009. Também há três ligas de poker na Índia com o objetivo de colocar o poker na TV e torná-lo mais importante. Isto apenas mostra o quão popular a Índia se tornou; não há muitos países com três ligas de poker.
Além disso, o PokerStars será lançado na Índia em breve, o que é algo sobre o qual me perguntam pelo menos três vezes por dia. Uma vez que o PokerStars chegar, acredito que será um divisor de águas. Vai explodir ano que vem. Muitas pessoas estão se envolvendo agora. É muito emocionante e, dentro de alguns anos, vejo que se tornará bastante popular. Pegue minha esposa como exemplo; ela nunca tinha ouvido falar de poker antes de me encontrar, mas eu a trouxe para ele e agora ela é uma jogadora profissional e viajamos juntos para torneios. Eu fiz bastante coaching de poker no passado, mas agora a estou treinando basicamente de forma exclusiva.

Agarwal 3_15dec17.jpgAditya Agarwal se divertindo na mesa

Como você gosta de relaxar?

Não sou uma pessoa ativa nem de ficar muito ao ar livre. Na verdade, não gosto de sair durante o dia em Kolkata com todo aquele calor e tráfego. Eu gosto de ler e assistir a todo o tipos de coisa na TV, mas principalmente filmes e séries de ficção científica. Não jogo nenhum outro jogo de cartas além do poker. Na realidade eu simplesmente preferiria fazer outra coisa se alguém me pedisse para jogar cartas. Por minha esposa também ser uma jogadora profissional, viajamos muito e ela gosta de visitar diferentes cidades. Ambos gostamos de comer fora, particularmente refeições mais requintadas. Estamos casados há ​​18 meses e ficamos longe de casa por cerca de metade disso até agora. Portanto, não temos uma rotina per se. Vivemos com meus pais e meu irmão mais velho, mas eu e ele dormimos muito durante o dia e ficamos acordados a maior parte da noite jogando poker online.

Você é o tipo de pessoa que gosta de se agradar com um presente extravagante após uma grande vitória, seja online ou ao vivo?

Não, na verdade não. Minha esposa tende a gastar todo o meu dinheiro e gosta de comprar minhas roupas para mim porque ela acha que não tenho senso de moda. Ficarei muito feliz se ela continuar a fazê-lo.


Kelvin Kerber foi o "Jogador da Etapa" no BSOP São Paulo, e se tornou o primeiro brasileiro garantido no PokerStars Players Championship:

First Deposit Bonus

Todos os jogadores que fizerem seu primeiro depósito estarão qualificados para o Bônus de Depósito PokerStars de 100% até US$600.

Arquivo